INCLUIR é tão importante quanto ESTIMULAR

Assim que damos à luz uma criança com Síndrome de Down, passamos a ouvir constantemente um verbo que jamais deixará de fazer parte da nossa vida: ESTIMULAR. A cada novo profissional, seja ele médico, terapeuta, ou até mesmo a vizinha que também tem uma amiga que tem um “filho especial”, a pergunta é sempre a mesma: a criança está sendo devidamente estimulada? 

Entre as muitas pessoas de quem eu recebi este tipo de questionamento, poucas tiveram o trabalho de me explicar o que é mesmo “estimular”.  Cheguei a adquirir uma certa aversão pela palavra, por ela ser aplicada, a maior parte das vezes, de forma meio burocrática. Será que é a estimulação com hora e local marcados no consultório do terapeuta a garantia do desenvolvimento dos nosssos filhos com síndrome de Down?

É preciso termos clara a distinção entre o sentido clínico da estimulação precoce e aquela promovida no dia a dia, por todas as pessoas que participam da vida dos nossos filhos. A intervenção precoce através das terapias é fundamental e inquestionável, devendo ser iniciada o mais cedo possível. Mas a maior parte do trabalho (e do prazer!) de fomentar o desenvolvimento dos nossos filhos está nas nossas mãos, ajudando-os a participar desde cedo do dia a dia da família, incluindo-os nas brincadeiras, nos afazeres, conscientizando-os dos caminhos percorridos, das pessoas à sua volta… Enfim, apresentando-lhes o mundo com todas as suas cores e possibilidades, deixando-os à vontade para serem protagonistas de sua vida. E depois de mais de dois anos de experiência eu afirmo sem medo: INCLUIR é tão importante quanto ESTIMULAR.

O caminho inicial de pais e mães de crianças com síndrome de Down não é fácil. Além de alguns problemas de saúde que podem acontecer, precisamos lidar com o nosso próprio preconceito, que faz do nascimento de um filho com deficiência uma experiência de dor e decepção.  Mas a maior barreira a ser quebrada, no entanto, é que fiquemos tão bem informados com relação à deficiência, que ela se torne um pressuposto e determine negativamente a nossa atitude com relação àquela criança que, graças aos estigmas físicos, traz o rótulo do “atraso” como um verdadeiro carimbo. Lembro de um episódio em que minha filha foi carregada numa brincadeira de roda com outras crianças, apesar de poder andar…  Mais do que a orientação abstrata de estimular, pais e mães de crianças com síndrome de Down deveriam ser incentivados a promoverem a “inclusão precoce”, levando os filhos para todos os lugares e possibilitando-lhes as experiências oferecidas a quaisquer crianças. Parece óbvio? Sim, mas nem sempre é.  Porque a resposta a um beijinho, um aceno ou um sorriso pode demorar um pouco mais quando se trata de um bebê com síndrome de Down. É exatamente neste momento que o risco da exclusão começa.

 A INCLUSÃO precoce é o melhor estímulo.

No video, dança inclusiva na sala de casa

6 Comentários

Arquivado em Nós três

6 Respostas para “INCLUIR é tão importante quanto ESTIMULAR

  1. Uli

    Gente, são duas piabas fora da lagoa rsrsrsrs. Estão ótimas !!!!

  2. cleusa ribeiro

    Olá querida Ana! quqnto tempo! elas estão lindas, sapecas, formosas. Muito bom ve-las a dançar e vc cantando, quem lhe acompanhava? a mana? beijos saudosos. Cleusa

    • barrigainclusiva

      Oi Cleusa!
      Também estou com saudades… Não é lindo vê-las assim? Somos eu e minha irmã cantando… Aqui sempre tem muita música e dança! Casa de artista!
      Bjos!

  3. cleusa ribeiro

    Mandei uma resposta, será que não chegou? bem, quero dizer que fiquei muito feliz em vê-las a dançar e vcs cantando para elas. Estão sapecas demais. Sophie, heim? Beijos saudosos. Cleusa

  4. Jéssica Aline

    Bom dia, Gostaria de deixar aqui meu depoimento em questão da inclusão…. estou do outro lado da história sou estagiaria de pedagogia, e durante todo esse ano eu trabalhei com uma criança de 4 anos de Síndrome de Down e gostaria de contar como foi a minha experiência olhando para a inclusão pelo outro lado. Sendo a Educadora.

    • barrigainclusiva

      Olá Jéssica! Obrigada pelo seu comentário. Ficaria muito feliz se você dividisse conosco a sua experiência.
      E se você me permite, não está do outro lado. Estamos todas do mesmo lado🙂
      Um abraço
      Ana Paula

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s